sábado, 12 de março de 2011

Leões de Jah

Na missão de reabilitar o poormaiores, agora sem obrigatoriedade de prazo para atualizações, este post, Leões de Jah, poderia mesmo era render um samba enredo do maconhódromo de Teresópolis, ao lado dos desfiles.

O nosso amigo, um fluminense radicado em Pernambuco, anos atrás foi convidado por um conhecido do Rio de Janeiro para dar uma força na torcida para a Escola Leões da Tijuca. Não pensou duas vezes. Como me explicou, quem é do Rio tem o mesmo fetiche pelas escolas do que os pernambucanos pelas ladeiras de Olinda. Ainda que o desfile em questão ocorra em Teresópolis.

Antes do desfile, porém, o anfitrião convoca nosso amigo e um terceiro elemento para uma rua paralela ao local do desfile. Objetivo? Queimar uma ruiva dos olhos vermelhos, fumar um boró ou "coisar", como dizem os surfistas.

Quando nossa trupe começa a consumir a "mardita", o anfitrião, rapaz novo, anuncia, em tom de desespero:

"-Cacete! Meu pai!!!"

Segundos de pânico, não havia mais tempo para esconder o tal do fininho. Até que o pai aborda o grupo, tira do bolso um pacote e anuncia:

"-Porra, meu filho!! Isso é coisa que se faça? É assim que você trata seus convidados, oferecendo essa mixaria? Deixa eu mostrar como é que se fuma!"

Nenhum comentário: